— Atendimento psicológico no Tatuapé – São Paulo

Relacionamento abusivo, o que é?

Relacionamento abusivo, o que é?

Muito têm se falado sobre relacionamentos abusivos, mas afinal como são esses relacionamentos? Como identificá-los? Por quê são danosos?

Em uma relação com o outro existe um “EU”, um “TU” e um “NÓS”. Se trata de uma questão quantitativa, ou seja, o quanto nesta relação tem de cada um e para cada um.

Em um relacionamento saudável existe cumplicidade, o casal gosta de estar junto e de fazer atividades a dois, também existe doação onde um faz coisas para o outro como demonstrações de carinho e afeto. Esta relação também preserva a individualidade e preferências de cada um, não é necessário deixar a academia ou parar de frequentar aquele curso. No entanto, quando o fazer para o outro ou pelo outro se torna a maior parte nesta relação, é importante se alertar.

No relacionamento abusivo um se funde com o outro, como se não fosse mais possível identificar se as vontades e desejos são do próprio indivíduo ou se são do parceiro.

Os relacionamentos abusivos geralmente começam com ciúmes: ciúme de uma roupa, então o outro a troca; ciúme de um amigo, então se deixa de lado a amizade.. Aos poucos o ciúme vira controle: que horas chega, que horas sai, onde vai, com quem, por quê, etc.. e rapidamente você está fazendo somente o que o outro aprova. Então o parceiro começa a diminuir suas conquistas e por fim a te ridicularizar na presença de outras pessoas. Vêm as brigas, nas quais você sempre é culpada aos olhos do parceiro e a você, só cabe acreditar!

Nesta relação não existe troca, existe controle; não existe respeito, existe obediência, medo, insegurança.

Pronto, você está totalmente dominada e para que haja a agressão física não precisa muito a  partir daqui…

Mas, por que a vítima não acaba com esse relacionamento?

Acontece que as agressões são acompanhadas de juras de amor incondicional e promessas de que fora a última vez….  Pois uma característica deste tipo de agressor é de que são conquistadores, galanteadores e intensos! E é com essa intensidade que conquistam suas vítimas! Então essa mulher fragilizada, com a auto estima totalmente comprometida, acredita que é amada e acaba cedendo. O círculo abusivo começa novamente.

Do outro lado, quando o abusador consegue o controle, essa pessoa passa a ser desinteressante e então vem as traições, pois o prazer do abusador está em conseguir esse controle, quando consegue precisa arrumar outra fonte de prazer.

Se você se identificou com a relação descrita aqui, possivelmente está vivendo um relacionamento abusivo e é importante acreditar que precisa de ajuda.

Normalmente quem está vivendo essa relação está tão fragilizada emocionalmente que dificilmente conseguirá sair sozinha dessa, mesmo porque tem as juras de amor após todos os abusos, lembra? Como você está com a auto estima abalada, essas juras faz você sentir que isso é amor, não conseguindo romper o círculo de abusos.

É bem provável que amigos e familiares já tenham percebido e estejam tentando te alertar sobre essa relação, pois quem está de fora consegue perceber , mas também é bem provável que você tenha se afastado dessas pessoas..

Infelizmente não é estranho se uma pessoa que saiu de um relacionamento abusivo entre em outro relacionamento abusivo, isso acontece porque, inconscientemente, as pessoas tendem a repetir o que é conhecido, mesmo se for uma experiência ruim, por não saber viver de outra forma. Por isso é tão importante buscar ajuda de um profissional.

O relacionamento abusivo não é caracterizado somente com a agressão física, ele vem antes, ele vêm na forma deste casal se relacionar. O relacionamento abusivo também pode ser vivido por homens, pois o abuso está na relação e não no sexo ou gênero do indivíduo.

Mas como romper este círculo abusivo?

Na psicoterapia será possível perceber porque essa relação de sofrimento causa tanta dependência, e a partir dessa compreensão permitir que você faça escolhas melhores para a sua vida.

6 Comentários
  • Rubens Joly Navega
    Postado às 19:21h, 25 fevereiro Responder

    Muito claro e objetivo o que vc explicou . Parabéns por ter conseguido passar essa clareza sobre um assunto tabu.

    • Thaisa Miguel
      Postado às 17:11h, 26 fevereiro Responder

      Obrigada Rubens! Infelizmente muitas pessoas ainda sentem-se envergonhadas em compartilhar essas experiências, mas a reflexão é importante para conseguir buscar ajuda! Um abraço!

  • Danilo Nóbrega Pereira
    Postado às 19:51h, 25 fevereiro Responder

    Perfeito, dicas importantíssimas para uma auto avaliação e facilitando enxergar a necessidade de procurar ajuda profissional.

    • Thaisa Miguel
      Postado às 17:09h, 26 fevereiro Responder

      Isso mesmo Danilo! Buscar ajuda profissional faz a diferença muitas vezes até para continuar vivo! Que bom que gostou!

  • Neuza Silva
    Postado às 18:30h, 14 março Responder

    Perfeitamente! Mas é muito difícil quando se está vivendo ou já tenha vivenciado na pele!
    É um trauma, uma dor… implacável, e acredito que somente com ajuda de um profissional adequado consegue superar.

    • Thaisa Miguel
      Postado às 12:13h, 15 março Responder

      Olá Neuza! É verdade, realmente é muito difícil sair desses relacionamentos devido a relação de dependência que eles mantêm. Por isso a importância de falar sobre o assunto e fazer uma auto reflexão para conseguir buscar ajuda, a ajuda nestes casos é o fortalecimento emocional da vítima. Obrigada!

Deixe um comentário

Fale Comigo